Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de Jundiaí e Região

Notícias

Notícias

Construção civil de SP entra em greve por melhores salários

Construção civil de SP entra em greve por melhores salários

28/05/2019

Os trabalhadores da construção civil de São Paulo cruzaram os braços desde as primeiras horas da manhã desta segunda-feira (27), após a negativa dos patrões às principais reivindicações da categoria. Um grupo de trabalhadores se concentrou em frente à sede do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil de São Paulo (Sintracon – SP) a partir das 5 horas da manhã. Os trabalhadores se dirigiram até o canteiro de obra da Construtora RFM, na Alameda Rio Claro, na Bela Vista, seguindo depois pela Avenida Paulista e Vale do Anhangabaú, até a Praça Roosevelt, onde fizeram uma assembleia e decidiram manter a greve por tempo indeterminado. A mobilização não aconteceu apenas no Centro de São Paulo. Obras em Pirituba e em outras regiões da cidade também foram paralisadas por decisão dos próprios trabalhadores. A pauta de reivindicações da categoria inclui aumento salarial de 5,07%, pisos salariais corrigidos em 5,7 %, vale refeição de R$ 35,00, café da manhã de qualidade e lanche da tarde, PLR de R$ 2,5 mil, de acordo com a lei 10.101/2000, pagos em meses a combinar, e seguro de vida obrigatório para todos os trabalhadores e seus dependentes (devido ao alto índice de acidentes no setor, essa é uma das principais reivindicações da categoria), entre outros pontos. Durante a manifestação, o Sindicato denunciou o cartel da construção civil, formado pelas grandes empresas que dominam o sindicato patronal (Sinduscon), de ser o responsável por dificultar a negociação com os trabalhadores. Na última sexta-feira, o presidente da Força Sindical e do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes, Miguel Torres, se solidarizou com a luta dos companheiros da construção civil e a greve. “É fundamental que as demais categorias apoiem a paralisação, pois a união faz a força e uma expressiva conquista coletiva na Construção Civil servirá de parâmetro para as demais categorias que estão ou entrarão em campanha salarial”, disse. Os dirigentes do sindicato também se manifestaram pela Greve Geral do dia 14 de junho contra a reforma da Previdência, convocada pelas centrais sindicais, e convocaram os trabalhadores da construção civil a se unirem aos demais trabalhadores nessa luta.